segunda-feira, 1 de julho de 2013

Avanços da Medicina - Século 20 , Descobertas

Um resumo sobre o que foi é A história dos avanços na medicina no século 20. Descobertas, Alexander Fleming, penicilina, BCG,  sangue (A, AB, 13, O).

Os avanços da Medicina no século XX foram os mais espetaculares da história. Doenças que matavam ou
mutilavam milhões de pessoas passaram a ser curadas. Isso foi possível, em primeiro lugar, graças ao crescimento econômico. Nos países ricos, os governas deram muito dinheiro para as universidades a fim de formar profissionais competentes e para pesquisar. Claro que eram países que valorizavam a educação, o estudo, a ciência, a pesquisa.
Não dá para falarmos de tudo o que foi descoberto na primeira metade do século XX. Vamos nos concentrar naquilo que foi mais espetacular. É óbvio que não é para você decorar todos esses nomes e datas. O mais importante é que você, amigo leitor, tenha consciência do conhecimento que o mundo estava adquirindo ao longo dessas décadas. Vamos ver então?
estafilococo
O estafilococo
é uma bactéria na
mira dos antibiót-

cos (descoberta
de Alexander
Fleming, 1928).
Todos nós herdamos uma porção de características físicas de nossos pais e avós, como a cor dos olhos, a altura, o formato do nariz, a voz, o tipo sanguíneo etc. Como se explica essa transmissão? Esse é o objeto de estudo da Genética. Só no início do século XX as leis fundamentais da Genética, formuladas havia algumas décadas pelo austríaco Mendel, tornaram-se amplamente conhecidas pelos cientistas. Foi Mendel quem mostrou, por exemplo, que um pai e uma mãe de olhos escuros poderiam ter filhos de olhos claros. Já em 1902, constatou-se que os fatores genéticos estavam contidos em umas estruturas miúdas existentes nas células de quase todos os seres vivos: os cromossomos.
Em 1907, o químico alemão Ehrlich percebeu que cada tipo de tecido animal pode ser afetado de forma diferente por compostos químicos. A partir daí, os cientistas se concentraram em pesquisar que tipos de mudança uma substância química poderia provocar no organismo de uma pessoa. Pronto: produzir remédios havia se tomado uma ciência. Os remédios mais importantes de todos os tempos foram os antibióticos. Descobertos pelo escocês Fleming (1928), um que chegou a ser utilizado nos hospitais de todo o mundo foi a famosa penicilina (1940). Antes dessa data, era comum as pessoas sofrerem um ferimento ou uma cirurgia e, dias depois, morrerem de infecção -ou então terem de amputar um membro. Os médicos nada podiam fazer. Pois bem,  o antibiótico acaba com as infecções. Ele é uma substância química. produzida por micro-organismos, que extermina as bactérias causadoras das infecções. Uma maravilha. A terrível tuberculose, por exemplo, que tanta gente matou, finalmente podia ser airada por um remédio.
Melhor ainda do que curar a tuberculose é não contrair tuberculose. Isso foi possível graças à descoberta da vacina BCG pelas franceses (1921).
Durante séculos, as pessoas também morriam por ter perdido sangue demais. Alguns médicos tentavam fazer transfusões de sangue (injetando na veia do doente o sangue de uma pessoa sadia), mas os pacientes geralmente morriam. Até que o austríaco Landsteiner descobriu os diversos tipos de sangue (A, AB, 13, O) e as regras para combiná-los (1900). A partir daí, milhares de vidas puderam ser salvas.

Quem sou eu

Minha foto

Sou um jovem estudando à procura de uma odisséia virtual.